Campanha SOLIDARIZE-SE | União de esforços em prol da população

SEIAS e VGE levam 4.887 kits de alimentos doados por empresários a populações vulneráveis 

Umas das ações mais relevantes empreendidas pela Secretaria de Estado da Inclusão e Assistência Social na pandemia de Covid-19 foi a Campanha “Solidarize-SE”, criada para estimular a solidariedade entre as pessoas, e auxiliar as populações em situação de risco alimentar e vulnerabilidade social. Realizada em parceria com a Vice-Governadoria do Estado (VGE), a campanha nasceu em junho, quando, numa articulação com as prefeituras e conselhos de Assistência Social, a SEIAS disponibilizou um mapa, no site inclusao.se.gov.br, contendo informações sobre as formas de contribuir com as ações socioassistencias realizadas pelo Estado e municípios, e com as iniciativas solidárias realizadas por entidades da sociedade civil, em cada localidade. E, de uma articulaçao direta da vice-governadora Eliane Aquino com o Sindicato dos Atacadistas de Sergipe (Sincadise), foram arrecadados 72.618 kg de alimentos nos seis primeiros meses da campanha, transformados em 4.887 kits alimentícios para populações em situação de risco alimentar e vulnerabilidade social.

As doações dos alimentos foram feitas pelo Sincadise, Grupo Maratá, Fasouto, Megga Atacadista e Nota 10, beneficiando populações quilombolas, ribeirinhas, indígenas, ciganas, extrativistas, marisqueiras, catadoras de mangaba, povos de terreiros, pessoas com deficiência, entidades e movimentos sociais, e famílias cadastradas no programa Aluguel Social do Governo de Sergipe. A campanha recebeu, ainda, a doação de R$ 25 mil reais, que serão revertidos na aquisição de 310 kits de higiene e limpeza – com álcool, água sanitária, detergente, sabão, sabonete líquido antisséptico, pano de limpeza, esponja e luvas (de limpeza e descartáveis) – para 48 abrigos para crianças, adolescentes e idosos nos municípios.

No município de Indiaroba, a coordenadora do Movimento das Marisqueiras, Elianaide Cardoso das Flores, enfatizou que a pandemia prejudicou bastante as comunidades ribeirinhas. “Os relatos que temos ouvido das marisqueiras sobre a situação de fome é devastador. Esses kits vieram em uma excelente hora para nos ajudar”, disse a coordenadora do movimento. No povoado Alagamar, em Pirambu, a aposentada Maria Helena dos Santos, de 70 anos, relata a dificuldade que ela e seus oito filhos enfrentam para se alimentar. “Esse kit contribui e muito e vamos comer tudo, porque não temos nada. Dos meus oito filhos, três vivem em casa. E estamos precisando demais, porque temos muita fome. Então esse kit vai fazer a gente poder se alimentar melhor. Graças a Deus chegou essa ajuda”, disse.

Para a vice-governadora Eliane Aquino, defensora de ações intersetoriais e da união de esforços entre entes públicos e privados, é necessário que a proteção social seja levada à população que mais precisa, sobretudo em um momento de pandemia. “Só podemos vencer as dificuldades que estamos passando através da boa vontade e da solidariedade das sergipanas e sergipanos. A união de parceiros para levar saúde e segurança alimentar às comunidades tradicionais causa um impacto muito positivo, sobretudo neste momento, em que as desigualdades sociais estão ainda mais evidenciadas”, defendeu Eliane, que esteve em diversos municípios acompanhando as entregas.

Testes gratuitos para Covid-19

Através de uma importante parceria com a Universidade Federal de Sergipe (UFS) e a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a Solidarize-SE se integrou à “Força-tarefa Covid-19”, que esteve em 22 comunidades quilombolas. Em cada localidade, a UFS aplicou testes gratuitos para detecção do vírus Sars-CoV-2 (em fase ativa ou através de anticorpos), e exames básicos de saúde. Nos meses de agosto e setembro, o departamento de Farmácia da UFS realizou mais de 10 mil exames, sendo: 2.200 de IgG, 2.200 de IgM e 1.500 de antígenos; além de testes básicos com 2.200 aferições de pressão e 2.200 exames de glicemia.

Dona Maria Izaltina Silva é uma das lideranças comunitárias do povoado Brejão dos Negros, em Brejo Grande, e conta do esforço de mobilização. “Falamos com todas as comunidades quilombolas da região e o resultado foi um trabalho com uma grande participação popular”. Já na comunidade da Mussuca, em Laranjeiras, o professor de português Neilton Santana, afirma que a união de esforços foi bastante eficaz. “Neste momento de crise que estamos vivendo, uma atitude como esta é primordial, tanto pelos exames quanto pela conscientização para prevenção da população”, disse o quilombola.

De acordo com o professor Lysandro Borges, coordenador da Força-tarefa Covid-19, um dos objetivos da ação foi mapear o comportamento da propagação do vírus entre as comunidades quilombolas para auxiliar Estado e municípios nas estratégias de enfrentamento à disseminação da doença. “Através da testagem, percebemos que poucas pessoas tinham o vírus em sua forma aguda no organismo, e muitos já haviam desenvolvido anticorpos da Covid-19”, disse o professor, que contou com a participação de alunos dos últimos períodos do curso de Farmácia da UFS.

‘A união faz a força’

A secretária de Estado da Inclusão e Assistência Social, Lêda Lúcia Couto, ressaltou que a campanha Solidarize-SE é fruto do engajamento coletivo. “Ficamos muito felizes com cada atitude solidária registrada nesta pandemia. Em nome das populações vulneráveis atendidas, nós agradecemos a todos os parceiros que tornaram possível essa campanha acontecer, com doações de recursos financeiros, gêneros alimentícios, itens de proteção e de higiene, e testagem gratuita para Covid-19. Sabemos que muitas dessas populações não têm acesso a esse tipo de aquisição, então fizemos o possível para estabelecer parcerias a fim de providenciar esse acesso”, defendeu a secretária de Estado da Inclusão Social, Lêda Lúcia Couto, que é médica sanitarista e doutora em saúde coletiva. 

O presidente do Sincadise, Breno França, conta como a entidade se sensibilizou a participar da Solidarize-SE. “Atendemos ao pedido da secretária de Inclusão Social, Lêda Lúcia Couto, e fizemos a mobilização junto às empresas atacadistas para contribuirmos com a doação de produtos alimentícios. Atualmente, 80 empresas sergipanas fazem parte do sindicato. Ficamos felizes em nos somar a essa nobre ação social, que cumpre o propósito de levar o básico para as pessoas mais afetadas durante a pandemia da Covid-19”, disse o presidente do Sindicato dos Atacadistas de Sergipe.

COMO DOAR?

A campanha Solidarize-SE segue recebendo doações. A pessoa física ou jurídica que desejar e puder auxiliar diretamente às prefeituras ou organizações da sociedade civil que já estão empreendendo iniciativas solidárias nos municípios, poderá obter as informações necessárias para colaborar através do site www.inclusao.se.gov.br/solidarize-se. Basta acessar o mapa de Sergipe disponível na página eletrônica, e clicar sobre o município sobre o qual deseja conhecer as formas de ajudar.

Última atualização: 28 de dezembro de 2020 10:52.

Pular para o conteúdo