Servidoras da Assistência celebram Dia da Mulher com roda de conversa e Yoga do Riso

Desafios, ativismo, sororidade, inclusão, luta, novas possibilidades, equidade e igualdade. Essas foram as palavras escolhidas para recepcionar as mulheres que celebraram o seu dia no pátio da secretaria de Estado da Inclusão, Assistência Social e do Trabalho (Seit). As atividades, abertas nesta sexta-feira (08), quando se comemora o Dia Internacional da Mulher, fazem parte da programação do “Todxs por Todas”, promovida pelo governo do Estado através de diversas secretarias ao longo de todo mês de março, sob a coordenação da Vice-Governadoria.

Presente na abertura da programação que envolveu as servidoras da pasta, a vice-governadora Eliane Aquino destacou a importância do trabalho de cada uma no desenvolvimento de projetos para melhorar a vida das mulheres. “Estamos a cada ano falando mais em violência, feminicídio, e o que estamos fazendo enquanto gestores públicos? O que estamos fazendo nos nossos lares para desconstruir o machismo? Estamos aqui para servir a população e enfrentar esses desafios, transformar para melhor a vida das pessoas. Cada um precisa olhar para fora, entender e construir a política de uma forma coletiva, uma política integrada. Esse é o papel da Assistência: melhorar os índices, e vamos mostrar que é possível fazer. Temos muito trabalho pela frente”, disse Eliane, destacando que as mulheres são a força motriz do universo.

Durante o acolhimento, a secretária da Inclusão Social, Lêda Lúcia, disse que a data é de celebração, mas também de luta e de luto. “De celebração pelos avanços e direitos já alcançados; de luto porque ainda vivemos com medo, porque vemos lideranças nossas, como Marielle Franco, serem assassinadas por lutarem pelos nossos direitos, porque ganhamos menos para fazer o mesmo trabalho; e de luta por uma sociedade mais cuidadosa, por justiça, liberdade, luta para conseguir equidade. Não podemos ser apenas beneficiárias das políticas, queremos ser as produtoras dessas políticas”, pontuou.

Lêda defendeu, ainda, que as mulheres precisa ocupar mais espaço em todas as áreas em que queiram estar. “Precisamos ocupar mais espaços. Precisamos dessas conversas pra gente ficar mais forte, para a gente olhar uma para a outra e saber que não estamos sozinhas nessa luta. Ninguém solta a mão de ninguém”, finalizou, emocionada. Após o acolhimento, a roda de conversa prosseguiu, com as trabalhadoras da Seit falando um pouco sobre suas histórias, lutas, dificuldades e alegrias. Na pasta desde 2011, Mariah Medici contou que foi lá onde constatou que o serviço público funciona.

“Aqui desenvolvemos políticas publicas que chegassem às mulheres quilombolas, as mulheres indígenas que estão sendo dizimadas, às mulheres negras que ainda precisam lutar dez vezes mais para chegar onde a mulher branca consegue chegar. Mas precisamos ir além, ir a lugares onde não chegamos ainda, e termos sensibilidade para enxergar, por exemplo, quem está ao nosso lado. Às vezes, no nosso departamento, tem alguma mulher com um problema e precisamos olhar uma para a outra. É assim que a gente constrói, nunca competindo, porque é uma que segura a outra”, disse a servidora.

A manhã programação festiva contou ainda com estande de maquiagem, massagem relaxante com a equipe do Movimento Popular de Saúde – MOPS, e uma animada sessão de Yoga do Riso. A programação segue ao longo de todo o mês de março. Na próxima semana, 12, acontece a roda de conversa sobre Saúde da Mulher e Violência Obstétrica, às 09h, no Espaço Cuidar do Bugio. E para a quarta-feira, 13, estão programadas rodas de conversa sobre Mulheres no Mundo do Trabalho nos Centros de Referência em Atendimento à Mulher (CREAM) de Poço Redondo (09h) e da Barra dos Coqueiros (14h).

Última atualização: 11 de março de 2019 09:02.

Pular para o conteúdo